Domingo em Montevidéu

Os Uruguaios realmente sabem aproveitar a vida. De uma forma geral, as pessoas levam a vida de uma forma mais calma, parando para apreciar uma boa conversa com um amigo em uma praça ou nas Ramblas (calçadões) e, claro, tomando um bom mate.  Aliás, tomar mate é praticamente lei no país. Por onde você passar, esteja frio ou calor, vai encontrar um uruguaio com uma térmica debaixo do braço e uma cuia com mate.

Há quem diga que os uruguaios são mais bem resolvidos com a vida justamente por saberem ficarem à sós com seus pensamentos, contemplando a vida, resolvendo seus problemas internos… Achei isso super interessante!

Bom, e como essa cultura afeta o passeio do turista? Simples, os uruguaios são bem ligados à família e os domingos são usados para passar momentos com ela e os amigos, os poucos restaurantes abertos estarão lotados e as ruas estarão cheias. Com isso, os pontos turísticos também estarão fechados, mas nem por isso o dia será perdido. Vou te contar o roteiro que fiz no domingo que estive lá.

Feria Tristán Narvaja

A feira Tristán Narvaja é um dos orgulhos da população de Montevidéu. Se você perguntar a um morador local o que fazer no domingo, com certeza te indicarão essa feira.

A melhor forma de descrever esta feira é uma mistura de feira livre com feira de antiguidades e usados. Seu funcionamento é apenas aos domingos das 9h00 às 16h00, mas ideal é o ir na parta da manhã, quando os feirantes estão todos por lá.

Confesso que não comprei nada por estar viajando de mochila, mas achei interessante passar observando todos os objetos antigos, livros, etc. Tem também a parte “feira livre” em que você encontra flores, frutas, verduras, bugigangas para casa, produtos de limpeza e até algumas roupas e acessórios. Acho que é uma maneira bacana de conhecer a história do povo, quais os objetos que temos em comum e quais são totalmente estranhos para nós brasileiros.

Apesar de ser uma feira, não notei aquele “desespero” de feirantes brasileiros te chamando, perguntando o que você quer, chamando sua atenção para a barraca deles… Talvez por ser visivelmente turista e eles não me acharem uma compradora em potencial! Rs De qualquer forma, isso foi ótimo para aproveitar com bastante calma o local, olhando cada uma das barraquinhas.

Bodega Bouza

Como ir para o Uruguai  não conhecer uma vinícola? Saí da feira e segui para a Bodega Bouza que fica cerca de 20 minutos do centro de Montevidéu.

Encontrei informações de como chegar na vinícola no próprio site e optei por ir de ônibus. Fiz a reserva do tour guiado para as 11h00 e, em seguida, a degustação e o almoço no restaurante que foi super bem recomendado.

Apesar de não ser difícil chegar, acabei me atrapalhando com os horários e, quando cheguei no terminal Cólon, descobri que o próximo ônibus demoraria mais de uma hora e me faria chegar ao local apenas às 14h00. Foi então que meu chip com internet 4G me salvou. Chamei um Uber e, em mais 15 minutos, consegui chegar!

bodega-bouza

Por causa do grande atraso, fui direto para a degustação.A equipe foi super atenciosa e me explicou que poderia fazer o próximo tour que seria às 16h00.

bodega-bouza-interno-2

A degustação custa 1000 pesos uruguaios (cerca de 100 reais) e inclui a vista à vinícola e ao museu de carros antigos. O ambiente é rústico, super charmoso e, apesar de elegante, não há restrições quanto à vestimentas. E você vai observar que praticamente só tem turistas brasileiros no local!

Como fui no inverno, a paisagem é mais simples, sem parreiras carregadas e a reserva não é obrigatória. Em alta temporada é recomendado que se faça reserva para não ficar horas aguardando uma mesa.

São servidos 4 diferentes vinhos e um prato de frios que harmonizam com cada um dos vinhos, além disso passam cestas com diversas opções de pães. E não se preocupe, o garçom faz uma pequena explanação sobre o vinho servido e te indica o que comer com ele.

bodega-bouza-degustacao

A maioria dos turistas opta por fazer apenas o tour e a degustação e voltar para Montevidéu, mas recomendo que fiquem para apreciar a gastronomia do local.

O almoço (prato principal, sobremesa, água, cubierto e gorjeta) ficou em 1300 pesos. Também inclui visitação à vinícola (e, não, não pode compensar com o valor da visita inclusa na degustação! rs) De fato, o preço pode assustar, mas a qualidade é incrível e acredito que o estilo de restaurante teria o mesmo preço no centro da cidade.

Tem uma lojinha para quem quiser comprar os vinhos degustados e, também, vários outros produzidos na vinícola. Uma garrafa custa a partir de 400 pesos uruguaios e eles também tem embalagens próprias para despachar na viagem de volta. A dica é que você olhe os preços quando chegar no free shop e depois compare com os preços praticados na vinícola e na cidade, pois soube que os preços são melhores no free shop (dica de uma das recepcionistas).

Desisti de fazer a visitação, pois terminei às 14h30 e teria que esperar até as 16h00. Optei por chamar um Uber, mas tinha alguns táxis disponíveis na porta. Pedi ao motorista para me levar até o parque Rodó e a corrida ficou em 500 pesos uruguaios.  Acabou sendo uma opção super legal, pois o motorista fez a rota turística, passando pelas ramblas e me contou várias curiosidades sobre o Uruguai.

Parque Rodó

O parque Rodó fica no bairro de igual nome, bem pertinho da Playa Ramirez. É outro ponto de orgulho dos uruguaios e, apesar de pequeno, vale a visita a ele. Aos domingos também tem uma feira até as 16h00, mas esta já lembra mais uma Feira Hippie de Belo Horizonte, com muitas opções de roupas e acessórios, além de alguns artesanatos. Cheguei tarde demais para avaliar a feira…

O parque é dividido em dois, um com a parte mais bonita, para relaxar, passear e outra com um parque de diversões que estava lotado de crianças.

parque-rodo-montevideu

Ramblas

A cidade de Montevidéu é banhada pelo Rio de La Plata e, por isso, acaba tendo um ar de cidade praiana. As ramblas (calçadões) são largas e percorrem cerca de 22km da cidade. Aos domingos ficam lotadas, algumas pessoas praticando esportes (bike, patins, corrida e até vôlei de areia), algumas tomando um mate e apreciando a vista, outros conversando e se divertindo com amigos e familiares.

Comecei minha caminhada na playa Ramirez e segui sentido à famosa placa “Montevidéu” que fica na Playa de los Pocitos.

playa-ramirez

A vista é simplesmente maravilhosa e, com certeza, vale a pena caminhar pelas ramblas e apreciar o movimento.

memorial-do-holocausto-montevideu

Minha intenção era andar até a placa Montevidéu e seguir para ver o Pôr do sol em um ponto que foi muito recomendado: Plaza Virgílio… mas era inverno e, apesar do dia lindo, estava gelado e anoitecendo quando cheguei em Punta Carretas.

Pedi informação a uns nativos e recomendaram que eu andasse até o Faro de Punta Carretas, pois de lá conseguiria ver os dois lados da costa e, de quebra, teria uma bela vista do pôr do sol.

E assim fiz…

Faro de Punta Carretas

faro-de-punta-carretas-montevideu

O Farol está aberto todos os dias até as 17h30 e a entrada custa 25 pesos uruguaios.  A entrada do farol é meio escondida, tem que bater na portinha mesmo.

faro-de-punta-carretas

O pôr do sol é um espetáculo da natureza e, daquele ponto, em um belo dia de inverno estava simplesmente deslumbrante.

por-do-sol-em-punta-carretas-montevideu

Com o anoitecer, o tempo começou a esfriar demais e desisti de seguir até a placa… acabei indo ao um shopping logo ali ao lado para trocar dinheiro (os shoppings ficam abertos todos os dias das 10h00 às 22h00) e depois voltei para o hostel.

Como se pode ver, o domingo é realmente mais calmo, mas, ainda assim, é possível passear e aproveitar o dia.

Ah, e claro que não fiquei sem conhecer uma das principais atrações turísticas da cidade… Aproveitei o dia em que aluguei o carro para ir a Punta del Este para passar pela playa de los Pocitos e  tirar a foto que eu tanto queria!

Anúncios

4 comentários sobre “Domingo em Montevidéu

    1. Sim,tb achei muito caro. A própria vinícola oferece um serviço de transfer por 1500 pesos por pessoa. Vale mais a pena pegar um taxi nesse caso… E hoje em dia o site tb indica como chegar (http://www.bodegabouza.com/bouza-bodega-boutique-como-llegar#/bouza-bodega-boutique-como-llegar)

      En ÓMNIBUS:
      Debe llegar hasta Terminal Colón*. Allí debe tomar un ómnibus de la línea G11 de la compañía Cutcsa (Avda. Lezica, Peabody, Camino Melilla, Camino de la Redención). Cuando el ómnibus deja Camino Melilla, dobla a la derecha tomando Cno. de la Redención. Cuando cruza la Ruta 5, prestar atención, descender en la cuarta parada, a unos 1.300 mts de la Ruta 5. La bodega está a la derecha. Por consultas sobre horarios de la línea G11 puede llamar al 19333 o ver los horarios aquí.
      * Para llegar a Terminal Colón, puede tomar las siguientes opciones:
      Desde Shopping Punta Carretas, Línea 329
      Desde el Club de Golf, Línea 174
      Desde Montevideo Shopping, Línea 329 y 468
      Desde Ciudad Vieja, Línea 148 y 130

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s